Kilamba24horas

Desparasitação: Crianças do município de Belas estão a ser imunizadas

 Desparasitação: Crianças do município de Belas estão a ser imunizadas

Crianças e adolescentes, dos cinco aos 15 anos, do município de Belas começaram a ser desparasitadas este mês, no quadro do combate às Doenças Tropicais Negligenciadas (DTN), anunciou, terça-feira, em Luanda, o coordenador provincial do Programa Alargado de Vacinação (PAV).

Artur Luciano informou que as crianças e adolescentes estão a ser imunizados com albendazol e praziquantel. A meta, referiu,  é combater a transmissão de doenças tropicais, muitas vezes feita por meio das fontes de água, onde são depositados os ovos dos parasitas, sobretudo nas zonas rurais desprovidas de higiene.

Para o coordenador provincial do PAV, é preciso garantir boa saúde às crianças e lutar mais contra as doenças tropicais negligenciadas, pelo impacto negativo que causam, em especial nas zonas rurais e suburbanas.

“Estas doenças estão associadas à utilização da água do rio e dos lagos, por serem locais usados por muitas pessoas para tomarem banho e lavar utensílios diversos”, disse, acrescentando que apesar do apelo das autoridades sanitárias para se observarem as medidas de higiene muitos populares continuam a ignorar as recomendações.

A desparasitação, continuou, não consiste apenas na eliminação de parasitas, mas também na prevenção de novas parasitoses. O coordenador acrescentou que é necessário o envolvimento de todos, em especial os pais e encarregados de educação, assim como das autoridades tradicionais e eclesiásticas, para a erradicação da doença na província.

A desparasitação, prosseguiu, é uma das prioridades do Executivo angolano no combate às doenças tropicais negligenciadas. “Esperamos da campanha grandes melhorias no resultado educacional, além de ajudar a evitar complicações irreversíveis na vida adulta, pois as doenças tropicais negligenciadas são um grupo de enfermidades infecciosas debilitantes, que contribuem para a pobreza extrema”.

Sem data de término, o passo seguinte, destacou, é continuar a sensibilizar as comunidades sobre as melhores formas de higienização das zonas habitacionais.