Kilamba24horas

Ex-Presidente mexicano acusado de receber milhões de dólares ilegais

 Ex-Presidente mexicano acusado de receber milhões de dólares ilegais

A agência antilavagem de dinheiro do México acusou quinta-feira o ex-Presidente Enrique Peña Nieto de receber milhões de dólares de fundos alegadamente ilegais.

Trata-se da primeira acusação legal formal contra Peña Nieto, apesar das incriminações registadas durante o seu governo de 2012 a 2018.

A queixa criminal apresentada contra Peña Nieto pela Unidade de Inteligência Financeira do Governo — liderado por Andrés Manuel López Obrador — não significa que os procuradores ainda não tenham decidido apresentar quaisquer acusações formais.

O chefe da unidade, Pablo Gomez, disse que os procuradores federais receberam a denúncia alegando o uso de fundos ilícitos e estão a investigar.

Gomez indicou hoje que uma empresa da família do chefe de Estado tinha “uma relação simbiótica” com outra que recebeu cerca de 500 milhões de dólares (cerca de 492 milhões de euros) em contratos do governo enquanto ele era Presidente.

Segundo o líder da unidade, eram empresas de distribuição, sem as especificar.

Gomez adiantou ainda que Peña Nieto recebeu transferências de dinheiro de um familiar, aparentemente ligado às duas empresas, de cerca de 1,3 milhões de dólares (1,28 milhões de euros) após deixar a Presidência. As contas do antigo Presidente mexicano não foram blocadas, acrescentou.

Hoje, Peña Nieto escreveu no Twitter que o dinheiro havia sido obtido de forma legal.

“Estou certo de que as autoridades competentes vão me permitir esclarecer quaisquer dúvidas sobre as minhas posses e provar a sua legalidade através de canais legais. Confio nas instituições jurídicas”, salientou.

O ex-chefe da petrolífera estatal mexicana Emilio Lozoya alegou que o ex-Presidente e o seu braço direito, o então secretário do Tesouro Luis Videgaray, instruíram-no a subornar parlamentares, incluindo cinco senadores, para apoiar o controverso setor da energia e outras reformas estruturais em 2013 e 2014.

Videgaray negou as acusações e atualmente ninguém enfrenta quaisquer processos no caso.